CALCULAR OS CIRCUITOS ELÉTRICOS

15/09/2010

 

 É muito comum na época de uma construção ou reforma pensar em economia ou ate mesmo acreditar que esta exagerando na demanda considerada ou sugerida por um profissional. Neste momento temos que considerar o que temos de equipamentos elétricos e o que vamos acrescentar para ligar na rede elétrica. Procure dimensionar individualmente os circuitos elétricos exemplo, chuveiro, aquecedor, ar condicionado, tomadas de uso específicos (TUEs), tomadas de uso geral (TUG), implante a nova norma a NBR 14136 – Plugues e Tomadas para uso doméstico até 20A/ 250V em corrente alternada – Padronização, desenvolvida no âmbito da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.  As tomadas do novo Padrão Brasileiro foram projetadas para impedir o contato acidental com os pinos do plugue quando estes estão energizados, evitando-se, assim, eventuais choques elétricos.

Outro grande benefício da norma NBR 14136 é a padronização de plugues e tomadas em apenas duas versões de correntes: 10 A e 20 A.

Como cada uma delas possui uma configuração diferente no diâmetro dos pinos, fica impossível ocorrer sobrecarga* de energia.

Na prática, um aparelho eletroeletrônico com corrente de 20 A não pode ser conectado a uma tomada de 10 A, já que seu plugue é compatível apenas com tomadas de 20 A. Já um aparelho com corrente de até 10 A pode ser conectado tanto na tomada de 10 A quanto na de 20 A, pois não existe nenhum risco de sobrecarga nesse circuito.

Em conformidade com a norma ABNT NBR 14136 os plugues e tomadas são com as seguintes medidas.

10 A orifício Ø 4  mm 

20 A orifício Ø 4,8 mm

 

E para os circuitos de iluminação, alarme e segurança. A margem de segurança de um cabo elétrico tem que ser considerado para que em alguma situação de sobrecarga e o cabo não sofra aquecimento, isso vale também para os disjuntores na hora da instalação, calcule o disjuntor nunca acima da corrente limite que suporta o cabo, exemplo se for ligar um circuito de chuveiro de 4500 Watts 220 Volts essa corrente será de 20,45 Ampères neste caso devemos usar um disjuntor de 25 Ampères, (20,45 +25% = 25).o acréscimo de 25% da a segurança de alguma variação no circuito queda de tensão, resistência em curto, já vi chuveiro com resistência em curto não é comum mas acontece, a resistência quando ligada sofre aquecimento e se funde com a própria temperatura eliminando almas aspirais e consequentemente aumentando a corrente.  Falando em chuveiro, só use o DR no circuito se a resistência for blindada.

Para os circuitos de tomadas de uso específicos(TUEs) use cabos acima de 4mm² e as tomadas deverão ser de 20 Ampères, quando for adquirir as tomadas e plugues novo padrão para 10 e 20 Ampères isso é para segurança dos circuitos o pino de 20 Ampères não entra na tomada de 10 Ampères e para as tomadas de uso geral (TUG) use cabos de 2,5mm², neste caso informe ao cliente que as tomadas são para 10 Ampères e não poderá ultrapassar essa corrente mesmo o cabo sendo de 2,5mm² que suporta 21 Ampères, neste caso a potencia poderá ser no Maximo até 1200 Watts por tomada.

 Para montagem dos quadros, coloque primeiramente no inicio do barramento os circuitos de correntes maiores, distribua por setores os ambientes do imóvel, distribuindo os circuitos de maneira que as cargas fiquem equilibradas, quando o circuito for bifásico ou trifásico.

 

O modelo de planta ilustra como distribuir os circuitos.

Claudio – HPTEL


MONITORAMENTO DE PROTEÇÃO

31/08/2010

 Fusível queimou, disjuntor desligou, o LED avisou!

É muito comum ainda a existência de fusíveis em instalações elétricas para proteção nos circuitos elétricos, e na queima de um fusível, até se identifique qual deles queimou, muito tempo passou. Com este circuito o alerta é visual, mesmo para a queima de fusível quanto para desarme de disjuntor.

Tipos de Fusíveis

Os dispositivos de proteção têm como principal objetivo proteger os condutores dos circuitos e os aparelhos elétricos de qualquer sobrecarga que produz uma corrente excessiva ou de qualquer curto-circuito que possa acontecer no sistema.

Existem vários tipos de dispositivos de proteção. Entre os mais antigos, os fusíveis, como o próprio nome diz, são aqueles formados por um filamento projetado para suportar um determinado valor de corrente. Quando a corrente que passa por ele ultrapassar este valor limite o filamento se rompe protegendo o circuito. Os elementos fusíveis podem ser de cinco tipos:

Os fusíveis são constituídos geralmente por ligas de materiais como chumbo, estanho, cádmio, bismuto e mercúrio. Essas ligas apresentam baixo ponto de fusão, de 60 a 200o C. Esse baixo ponto de fusão é justificado pelo princípio de funcionamento do fusível, uma vez que o mesmo se funde, interrompe a corrente.

O fusível possui sempre um isolante que o envolve, pois se ele ficar exposto, o arco elétrico que surge durante sua fusão poderá danificar equipamentos vizinhos. O elemento isolante também deve suportar a pressão resultante do arco e a elevação da temperatura do elemento fusível. Os invólucros normalmente utilizados são de cerâmica, papelão, vidro entre outros. A maioria dos invólucros também permite a inspeção visual do estado do elemento fusível.

Cuidado com a qualidade dos fusíveis. Alguns fabricantes não realizam sequer ensaios com o produto e apesar de apresentarem em seu corpo um valor de capacidade de corrente, nem sempre atendem às exigências da norma.

Em instalações residenciais, por questão de segurança, os fusíveis do tipo rolha ou cartucho não são mais permitidos. Devem ser substituídos de preferência por disjuntores.

Disjuntores

Já os disjuntores são dispositivos parecidos com um interruptor comum que permite a interrupção da passagem de corrente. Entretanto o disjuntor não se rompe como o fusível. O disjuntor tem um dispositivo interno automático e, portanto, quando existir algum problema na instalação, ele desarma a chave abrindo assim o circuito. Esse dispositivo é termo-magnético, ou seja, se a temperatura do condutor passar do limite aceitável, isso indica que está existindo uma sobrecarga no sistema e a chave é acionada. Se houver um curto-circuito na instalação, vai existir uma grande variação no campo eletro-magnético do condutor e a chave também vai ser acionada. No entanto, logo que o problema que gerou a sobrecarga ou o curto-circuito for resolvido, o disjuntor poderá ser religado, o que não acontece com os fusíveis que precisam ser trocados.

Para as residências, existem dois tipos básicos de disjuntores disponíveis no mercado:

Americano (NEMA)

Europeu (DIN)

A única diferença entre eles é forma de fixação e o tamanho do módulo. O tipo americano tem módulo de 1″(25.4 mm) e o tipo europeu tem módulo de 17,5 mm, portanto é mais compacto.

Os disjuntores podem ser monofásicos, bifásicos ou trifásicos como podem ser vistos nas figuras acima. Cuidado: não utilize 2 disjuntores monofásicos em circuitos 220V, pois em caso de sobrecarga ou curto-circuito corre-se o risco de somente uma das fases ser desligada; utilizando-se disjuntores bifásicos em circuitos de 220V, em caso de sobrecarga ou curto, as 2 fases serão desligadas.

Circuito para monitoramento

OBS. O componente Diac  onde diz D83 Considere Db3.

Estando o fusível em bom estado, O R1 e R2 continuam com mesmo equilíbrio de potencia não ocorrendo tensão no circuito, mas em caso de queima do fusível vai ocorrer uma diferença de potencial entre R1 e R2 e o circuito será alimentado.

O LED ficará piscando até o fusível ser substituído.

Se preferir poderá levar o circuito demarcado em vermelho para o mais proximo possivel do monitoramento.

Claudio – HPTEL

 


ENERGIA ALTERNATIVA

19/08/2010

ATUALIZAÇÃO

Recentemente foi divulgado a seguinte noticia, “Energia solar abastece cidade inteira na china”, porque será que para uns é possível e para outros não. O que será necessário para isso acontecer? Dependem de alguma decisão política, recursos financeiros, incentivo ou outros empecilhos que não sabemos?

Sabemos que, para isso não é preciso inventar nada, pois já existe tudo que é necessário para inovar. Olhe as vantagens que existe para todos, menos poluição e emissão de gás carbônico.

Energia solar abastece cidade inteira na China
Uma cidade onde 99% da população conta com aquecedores solares de água e energia solar para a geração de eletricidade. Assim é Rizhao, município com 2,8 milhões de habitantes situados na província de Shandong, na China. Lá são evitadas as emissões de 53 mil toneladas de gás carbônico anualmente e cada morador deixa de gastar US$ 1.807 com contas de eletricidade.

Não podemos esquecer que a China esta em segundo lugar somente atrás dos Estados Unidos. Acredito que isso é um receio “medo” de novas culturas, aquela preocupação, será que vou tomar um banho quente hoje? Ou será que a TV vai funcionar? Isso tudo é que nos assusta. Mas, será que a partir de um plano de conscientização, da sua real necessidade e da divulgação e incentivo dos fabricantes e governos, não seria a melhor forma de convencimento e aceitação?

É muito comum vermos equipamentos de energia alternativa, em locais como rodovias, estações de comunicação e bases de controle, que não existe energia elétrica ou dificulta o concessionário local de energia elétrica atender esses consumidores. Vemos que esses locais são pontos essenciais para o andamento da empresa que o utiliza. Será que eles perdem alguma coisa com isso? ao contrario, é  a maneira ideal e correta de continuar com suas operações.

Claudio – HPTEL


MANUTENÇÃO

12/08/2010

Manutenção !  A IDEAL…

Muitos sabem, mas… não fazem!

Quando tudo esta “ligado, rodando e funcionando” é uma maravilha, mas, quando nada funciona é um desastre, é assim onde muitos se enquadram. É muito comum ver situações onde as instalações elétricas estão precárias e saber, que a qualquer momento poderá “explodir”. Deixando de investir em seu patrimônio acreditando estar ganhando.

Recentemente estive em uma empresa fabricante de peças para vários segmentos de metalúrgica e montadoras. No inicio deparei com a mais deplorável das instalações elétricas que eu já tinha visto, mas como faz parte da minha profissão, elaborei um relatório das deficiências e correções e fiz o orçamento ideal para que as maquinas e equipamentos funcionassem de acordo com as normas vigentes,  não era de se esperar a reação do responsável da empresa quando o conteúdo do relatório e orçamento chegou ao seu conhecimento, as discordâncias e desculpas são sempre as mesmas, “vamos fazer reformas futuras, vamos mudar, não temos recursos para investimento, preciso dos equipamentos funcionando e etc.

Neste caso por conhecer o administrador da empresa tive a liberdade de mostrar a ele que, os prejuízos nunca trazem lucros e sim perdas e comentamos sobre as perdas em;

Tempo parado do equipamento.

Tempo parado do funcionário.

Custos com peças e materiais.

Prazo de entrega do produto para seu cliente.

Valores de mão-de-obra para correção.

 

Chegamos a conclusão que existe uma perda considerável neste caso e se fosse mantido a manutenção preventiva o seu custo não fosse percebido em função da programação  feita. O que temos é, ter consciência e o que realmente queremos “ganhar ou perder”.

Manutenção Preventiva= investimento (custo programado). É uma forma de antecipar ao problema, ou seja, diminuir as chances dos problemas aparecerem. Na qual a intervenção é programada em períodos (semanal, quinzenal, mensal, etc.), a idéia é identificar a falha antes que ela ocorra. Tem um problema, qual o período em que se deve intervir, antes que a falha ocorra? um esperto diria poderia se fazer preventiva toda hora, mas isso implica custo, então é neste ponto que entra a próxima manutenção, a preditiva.

Manutenção Corretiva= perdas inesperadas (não sabemos o seu custo, mas sempre superior ao programado). Também conhecida como “apagar incêndio”, na manutenção moderna deve ser evitada a todo, custo ela implica parada do equipamento “prejuízos” esta normalmente tem o custo mais elevado por ser feita quando já há maior comprometimento de todo o sistema elétrico.

Manutenção preditiva: a manutenção preditiva é a que fornece dados para a manutenção preventiva, ou seja monitora-se o equipamento durante certo periodo, nem todos os equipamentos podem ser monitorados o tempo todo, isso implica em custos, então se avalia o comportamento do equipamento, ate que sua operação se afaste do ponto ótimo de desempenho, e conforme a necessidade de cada equipamento e sua importancia dentro da planta, define-se o periodo de intervenção prebentiva, nets aanalise o modelo estatistico é fundamental.

Muitas vezes a manutenção é lembrada somente no momento de utilização do sistema, isso quando quando já surgiu o defeito ou o problema. Para isso temos que tomar os cuidados necessarios e proceder da melhor maneira e mais economica que existe.

Estimado em gastos com manutenção, exemplo se gastamos

Corretiva =  100%

Preventiva= 75%

Preditiva= 50%

 

Claudio – HPTEL


CUIDADO NA HORA DE CONTRATAR UM ELETRICISTA

02/08/2010

 

 É muito comum na hora de construir ou ampliar uma construção, procurar sempre o mais “barato” ou o que lhe convém no momento, cuidado você pode estar colocando em risco seu patrimônio e sua família. Nem todos que se apresentam como profissionais realmente são, são sim, amadores curiosos que estão procurando recursos extras para complementar a sua renda.

É importante que o profissional escolhido tenha boas referencias profissionais para garantir a qualidade da mão-de-obra e também para não correr o risco de cair em mãos erradas. É muito comum a utilização de fios e outros materiais já usados para diminuir o preço do trabalho, uma gambiarra que pode custar muito caro. Os curtos-circuitos são apontados como principais causas de incêndios de grandes proporções, como o que temos visto com freqüência por ai.

Segundo os profissionais da área, também é muito perigoso sobrecarregar a rede elétrica. Com aquisição de novos equipamentos e eletrodomésticos e a tendência é de a utilização de extensões e o chamado benjamim ou “t”, com fios finos que não suportam correntes superiores as correspondentes aos fios. Esta pratica é corriqueira em milhares de casas e representa o primeiro passo para um acidente (curto circuito).

De acordo com os Especialistas em eletricidade, a ampliação de uma rede eletrica já precaria, muitas vezes construida com fios usados emendados um ao outro ou a improvisação de extensões para utilizar mais equipamentos elétricos sem ter que instalar uma nova tomada podem causar verdadeiras tragedias. O problema se agrava com o tempo seco e a ação dos ventos, uma pequena faisca gerada a partir do aquecimento de uma tomada e suficiente para gerar o fogo.

Os Especialistas tambem alerta para que na hora da reforma ou ampliação de instalações elétricas, o contratante deve procurar um profissional para executar os serviços e assessorar na compra dos materiais necessários para a execução dos serviços e esses materiais devem ser adquiridos em casas especializadas e de marcas registradas.

Custo

O custo total dos materiais para instalação eletrica fica aproximadamente R$60,00 o m² e a mão-de-obra R$10,00 a R$15,00 o m², para uma residencia de até 50 m².

Garantia só de quem conhece

Claudio – HPTEL


Novo padrão de tomadas ainda causa transtornos

22/02/2010

É difícil encontrar adaptadores para o novo modelo.
Novo padrão entrou em vigor no início de janeiro.

Mais de um mês após a sua implantação, a mudança no padrão brasileiro de plugues e tomadas continua causando transtornos ao consumidor. É difícil encontrar adaptadores para o novo modelo, que conta com três pinos, nas principais lojas de varejo.

E quando encontra você vai pagar três vezes mais do valor de uma tomada. Isso é Justo?

O setor tem grande dificuldade para encontrar supridores que acompanhem a grande demanda. A questão é foco de ação do Ministério Público Federal do Paraná, que pretende interromper a mudança.

Acreditamos que é o caminho!

O novo padrão entrou em vigor no início de janeiro e, segundo o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), tem como objetivo aumentar a segurança das instalações elétricas nos lares brasileiros. Os novos plugues e tomadas são obrigatórios em geladeiras, lavadoras de roupas, micro-ondas, aparelhos de ar condicionado, TVs de plasma e LCD e computadores.

Quer dizer que outros equipamentos (rádios, DVDs, ferro elétrico, etc.) que também são elétricos, não são perigosos?

NOVO MODELO DE TOMADA É MAIS CARO QUE O ANTIGO

Os transtornos são maiores nesse último caso – uma vez que, para todos os outros, o Inmetro recomenda a troca das tomadas, em vez do uso de adaptadores. Para computadores, porém, existe a necessidade de adaptadores para o uso de filtros de linha ou nobreaks nos padrões antigos ou nos padrões americanos (dois pinos chatos e um cilíndrico), mais difíceis de encontrar.

O Inmetro reconhece o transtorno, mas diz que é comum em um momento de mudança como esse. “Temos feito pesquisa em diversos Estados sobre a disponibilidade de adaptadores. Em um primeiro momento, a dificuldade era muito grande. Hoje em dia pode haver problemas pontuais, mas a quantidade de adaptadores cresceu bastante”, diz o chefe da divisão de avaliação da conformidade do instituto, Gustavo Kuster.

E TEM MAIS!

Coisas importantes que ainda não divulgaram!

Você sabia que os novos padrões têm dois tipos de tomadas e conexão para cada situação? E isso é determinado pela cor de cada tomada?

Então fique atento. Se você tem equipamentos elétricos que consome uma corrente até 10 amperes a cor dessas é (preto) e acima de 10 amperes até 20 a cor é (branco). Os pinos terão diâmetros diferenciados de acordo com a corrente elétrica de que o aparelho necessita para funcionar. Isso impede que um aparelho de maior amperagem possa ser conectado a instalação de até 10 amperes, sobrecarregando-a.

Pois é, essa informação não chegou até você  consumidor final.

Na hora de comprar esses produtos, temos que consultar um técnico para saber qual a corrente de cada equipamento elétrico para instalar a tomada adequada.

Antes de comprar, consulte um profissional de eletricidade.

Claudio – HPTEL


110 / 220 volts o que usar?

02/12/2009

 

O consumo dos equipamentos são os mesmos, se temos um equipamento bivolt, ou seja, funciona em 110 ou 220 podemos verificar que a corrente (Amperes) em 110 volts é o dobro da tensão 220 volts e consequentemente em 220 volts a corrente (Amperes) é a metade de 110 volts. Portanto a potencia do equipamento é igual tanto em 110 volts como em 220 volts. O valor para pagamento da conta é o mesmo devido ao sistema de cobrança da concessionária ser em (Kilowats/hora). 

PORQUE USAMOS CIRCUITOS 110 e 220 VOLTS? 

O custo para instalações em 220 volts sai menor devido aos preços de condutores de cobre, a bitola dos condutores para um equipamento em 110 volts é o dobro do que os condutores ligados em 220 volts. 

 Exemplo de circuito 220 e 110 volts 

 

  Qual a vantagem para isso? 

 

Somente o custo dos materiais (condutores) para instalação. Neste caso temos que avaliar a instalação cada ponto de equipamento e verificar suas distancias e quantidades e se é viavel a sua instalação em 110 ou 220 volts. Normalmente os circuitos de aquecedores, chuveiros, motores e outros equipamentos de potencia (wats) alta usam-se a tensão de 220 volts. 

Claudio- HPTEL 


Equipamentos para proteção

23/11/2009

Depois do apagão! a preocupação. O que usar para proteção de equipamentos, Filtros de Linha, Estabilizadores de tensão, No-Break e agora!

Porque alguns aparelhos queimam quando acontece o blacaute?

É comum na hora do blacaute a tensão oscilar sempre para baixo e depois subir acima de sua tensão estabelecida, nesta hora quando a tensão aumentam os equipamentos que tiver ligado esta vulneravel e queima, ou após o blacaute na volta da luz existe uma tensão superior a normalmente usada nos aparelhos ocorrendo a queima de aparelhos que estão plugados nas tomadas.

FILTRO DE LINHA

Qual a função do filtro de linha?

O filtro de linha surgiu após a chegada dos computadores que são dotados de CPU, Monitor, multi-midia externo, impressora, scaner e outros periféricos necessários ao uso da informatica. Onde houve a necesidade de ter uma fonte com varias tomadas para atender todos os pontos em um só local.

O filtro de linha protege os equipamentos?

O filtro de linha é uma régua de varias tomadas, o circuito interno é composto de bobinas em série e capacitores em paralelo que tem a função de eliminar ruidos e interferencias causadas na rede elétrica. Não tem elementos que possa proteger os equipamentos de queima ligados a ele.

ESTABILIZADOR DE TENSÃO

Estabilizadores de tensão evitam que os aparelhos queimem?

A função do estabilizador de tensão é manter o nivel e a qualidade da tensão necessária ao equipamento em funcionamento. O estabilizador de tensão poderá evitar a queima do aparelho se este estiver dotado de reguladores de entrada da tensão e controle de carga, isso protegera na hora do pico inicial.

NO-BREAK

No-break é usado em equipamentos de informatica, servidores, alarmes e outros que necessitam de energia elétrica para atuações de emergência. A sua função é manter os equipamentos em funcionamento não permitindo que este se desligue de imediato sua fonte de energia. É dotado de bateriais recarregaveis, no momento de transferência é transformada em corrente alternada, esse processo é feito e protegido através de sensores de tensão e corrente, dessa forma os equipamentos ligados nas suas tomadas são protegidos.

Claudio – HPTEL


10 dicas para diminuir o desperdício e aumentar a segurança das instalações:

05/11/2009

dicas de economia 1

1-  Planejamento das instalações. (verifique suas necessidades de pontos de luz e tomadas, não economize nessa hora faça uma distribuição ideal para você ter opção de remanejamento de aparelhos no interior da casa).

2-  Profissional. ( contrate um profissional nesta área para ajudar com as necessidades técnicas e fazer o dimensionamento dos cabos, disjuntores e circuitos).

3-  Materiais. (não opte pelo mais barato, com certeza vai funcionar, mas a sua durabilidade é bem menor).

4-  Instale circuitos independentes com disjuntores. (Quanto mais circuitos houver, melhor será a distribuição da carga elétrica).

5-  Utilize cabos ou fios compatíveis. (a fiação incorreta, menor que a determinada causa consumo).

6-  Equipamento novo, moderno, consome menos energia. (Exemplo: Reator eletrônico).

7-  Evite emendas. (O cabo ou fio de cobre é um excelente condutor, no caso do fio singelo a sua dureza impede as vezes obter emendas perfeitas, onde gera mal contato onde provoca aquecimento e conseqüentemente consumo de energia, neste caso use conectores específicos de emenda. O cabo se enquadra melhor nas instalações internas devido a sua flexibilidade, principalmente nas emendas e conexões. Nas instalações quando se utiliza cabos ou fio de cobre verificou-se que existe uma economia considerável no consumo).

8-  Não despreze ou anule o fio terra dos aparelhos. Ao contrário, faça um bom sistema de aterramento na sua residência e no seu local de trabalho. (A função do fio terra é dar segurança para o usuário).

9-  Revise as instalações a cada 5 anos pelo menos. Manutenções preventivas reduzem consideravelmente desperdícios e acidentes. (principalmente os protetores de circuito Disjuntores, tomadas e interruptores. As tomadas principalmente sofrem desgastes naturais provenientes dos pinos dos aparelhos e isso com o tempo os contatos aquecem e geram consumo).

10-Contrate um profissional eletricista na hora das instalações e revisões. (o conhecimento técnico só trará benefícios, e o seu investimento será ressarcido pela economia obtida.

 

Claudio: HPTEL


ATERRAMENTO (FIO TERRA)

12/10/2009

Desenho-Fio terra

O assunto ainda acende polemica para alguns. Recebo comentários referentes a essa matéria, o porquê da necessidade de aterramento e suas funções. Pois é, nem todos têm a obrigação de saber, mas, é bom respeitar a ciência e, por favor, não duvide dela é sério. Dentro de todos os aparelhos elétricos existem elétrons que querem fugir do interior dos condutores. Como o corpo humano é capaz de conduzir eletricidade, se uma pessoa encostar-se a esses equipamentos, ela estará sujeita a levar um choque, que nada mais é do que a sensação desagradável provocada pela passagem dos elétrons pelo corpo. É preciso lembrar que correntes elétricas de apenas 0,05 ampères já podem provocar graves danos ao organismo! Sendo assim, como podemos fazer para evitar os choques elétricos? O conceito básico da proteção contra choques é o de que os elétrons devem ser desviados da pessoa. Como um fio de cobre é um milhão de vezes melhor condutor do que o corpo humano, se oferecermos aos elétrons dois caminhos para eles circularem (sendo um o corpo e o outro um fio), a maioria deles circulará pelo fio, minimizando os efeitos do choque na pessoa. Esse fio pelo qual irão circular os elétrons que escapam dos aparelhos é chamado de fio terra. A função do fio terra é recolher elétrons “fugitivos”, mas muitas vezes as pessoas esquecem sua importância para a segurança. É como em um automóvel: é possível fazê-lo funcionar e nos transportar até o local desejado, sem o uso do cinto de segurança. No entanto, os riscos relativos à segurança em caso de acidente aumentam em muito sem ele.

Haste de aterramento

A maneira mais correta de instalação é introduzir a haste cobreada de ½” no solo na área externa da edificação, procurando instalar próximo ao eletroduto de alimentação do quadro geral. Podendo utilizar um único fio terra por eletroduto, interligando vários aparelhos e tomadas. Por norma, a cor do fio terra é obrigatoriamente verde/amarela ou somente verde.

Aproveito para saudar os Colegas da Infraero SBKP de 1989/2001 que dedicam e dedicaram profissionalismo a essas tarefas.

Claudio


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 140 outros seguidores