COMUNICADO REDES ELÉTRICAS

15/04/2014

O site REDES ELÉTRICAS foi elaborado para compartilhar
Através de seu idealizador, participantes e colaboradores informações relacionadas a Eletricidade sem a intenção de oferecer a comercialização de serviços ou produtos, exceto pelo criador desse que fará de forma legal e de direito.
Sendo assim, pedimos aos participantes se atentar aos conteúdos das informações postadas.

ATENÇÃO
OS PROFISSIONAIS CADASTRADOS NESSE LINK NÃO TEM QUALQUER VINCULO COM O FÓRUM QUE OS CREDENCIEM COMO CAPACITADOS A OFERECEREM QUAISQUER SERVIÇOS.  E, POR CONSEGUINTE, O FÓRUM NÃO SE RESPONSABILIZA PELA DECISÃO DO INTERESSADO DE CONTRATAR SERVIÇOS DE PESSOAS LISTADAS NESSE LINK, MESMO QUE ESSAS APAREÇAM EM EVENTUAIS DISCUSSÕES TÉCNICAS NESTE FÓRUM.
Colaborador: Dejalmir Vianna
Equipe: REDES ELÉTRICAS


Layout de Circuito de Distribuição Elétrica

22/11/2013

Executar instalações elétricas não é tarefa fácil como muitos acreditam ser ou pensam. Entre projeto e execução existem muitos itens a ser considerado. O projeto consiste em prever exatamente as necessidades que atenda satisfatoriamente o cliente, no decorrer da execução do projeto o ideal é compartilhar ideias com o proprietário do imóvel, indagando sobre as necessidades reais para contemplar os pontos de tomadas de uso gerais (TUGs), tomadas de uso específicos (TUEs) e iluminação. Isso tudo tem que ser previsto antes de quaisquer fundações de lajes, vigas e colunas. É muito comum ver edificações novas com fiações expostas ou com canaletas pelos cantos. Na instalação de eletrodutos (conduites) procure deixar uma reserva principalmente do quadro padrão até o quadro de distribuição interna. Utilize materiais de boa qualidade e procedência conhecida. Na execução das instalações elétricas, após ter o conhecimento das potencias dos equipamentos  que será utilizado na edificação, calcule os condutores e disjuntores para a proteção geral e para os circuitos individuais. A instalação do quadro de distribuição interna devera preferencialmente ser instalado em local protegido de umidades e de fácil acesso das pessoas.

A dica abaixo é somente um exemplo de uma instalação de quatro ambientes.

clique no desenho para ampliar o tamanho.

exemplo de projeto 03 11 13

Até a próxima

Claudio


Dicas práticas para economia de energia

19/11/2013

LÂMPADAS

Como economizar energia usando alternativas

Iluminação de ambientes

Cores e disposições de moveis em ambientes influenciam sua iluminação;

Manter paredes, janelas, pisos e forros regularmente limpos é fundamental a limpeza coopera com o rendimento da luz e a luz artificial não é tão necessária;

Preferencialmente use a luz natural abrindo janelas, cortinas e persianas;

Mantenha luminárias e lâmpadas limpas para o melhor rendimento;

Use luminárias preferencialmente com refletores espelhados para dobrar o rendimento de luz;Luminárias fluorescentes fechadas e globos com fechamento de acrílico reduz a luz em torno de 30%.Mantenha o controle de cargas dos circuitos não excedendo o limite do condutor;Use lâmpadas compactas, LEDs, e fluorescentes;Lâmpadas e luminárias embutidas no teto, sanca de gesso e etc.  reduz o nível de lux do ambiente;

Individualize os circuitos de iluminação instalando sensores de presença e setorizado por ambientes;

Instrua os familiares e empregados a desligarem as lâmpadas e aparelhos eletrônicos de ambientes não ocupados;

Instale lâmpadas mais eficientes de maior durabilidade sempre considerando o custo beneficio;

TIPOS DE LÂMPADAS

1-    Incandescentes: são lâmpadas consideradas “quentes”, atualmente as mais usadas em iluminação residencial. A sua eficiência luminosa é muito baixa, 12lm/W. seu custo é baixo e sua vida útil é de 1000 horas aproximadamente.

Em locais freqüentados por muitas pessoas, seu uso deve ser analisado principalmente se o ambiente for climatizado a carga térmica exige mais potencia do condensador do ar condicionado, conseqüentemente gastando mais.

2-    Fluorescentes: utilizadas em ambientes industriais, comerciais e residenciais essa é de muito pouca utilização, sua instalação sempre é voltada nas áreas de cozinha, de serviços e sanitários. Existe resistência do uso em salas corredores e quartos. Sua eficiência luminosa é cinco vezes maior que as incandescentes, superam 70 lm/W. é considerada “fria”.

3-     Fluorescentes Compactas: são lâmpadas fluorescentes com tubos em “U” simples, duplo o triplo em função da sua potencia ou ainda em forma circular com reator eletrônico incorporado à rosca o mesmo tipo das incandescentes “E27”, embora o custo é superior ao da lâmpada incandescente o seu retorno é recompensado na sua vida útil que é de aproximadamente de 10000 horas, consome 20% do consumo da incandescente.

4-    Mistas: combina uma incandescente e um tubo de descarga com alta pressão. Funciona com tensão d 220 volts, sem reator. Emite cerca de 25l/W. possui vida útil de cerca de 6000 horas. É uma alternativa para substituição de incandescente de alta potencia.

5-    Halógenas: com 25% a 40% de redução no consumo em relação às incandescentes, também permitem uma perfeita reprodução de cores. São compactas e portanto adequadas à montagem de vitrines e à decoração em geral. Sua vida útil é de 2000 horas.

6-    Dicróicas: são uns aperfeiçoamentos das lâmpadas halógenas por terem um refletor capaz de concentrar o facho luminoso e ao mesmo tempo mandar para trás parte do calor emitido. Tem vida útil de 3000 horas. Embora o vidro na face anterior seja opcional nos produtos oferecidos no mercado, ele é altamente recomendado no caso de a lâmpada ser colocada em locais de permanência de pessoas, caso contrário pode causar queimaduras semelhantes às queimaduras solares além de desbotar superfícies, como papéis carpetes e tecidos.

Que tipo de lâmpada é mais econômico?

As fluorescentes, vendidas no mercado nos formatos tubular, circular e compacta.

O tipo mais eficiente depende do ambiente que se deseja iluminar. Locais que precisam mais de luz,como cozinha, garagens e áreas de serviços, as tubulares são mais adequadas. Já  as compactas, também encontradas em tom amarelo, são indicadas para quartos e salas.

Um estudo realizado pelo Instituto de Defesa do Consumidor (IDEC) revelou que as lâmpadas fluorescentes chegam a ser 79% mais econômicas e produzem 70% menos calor que as incandescentes.

Claudio Pereira – Blog Redes Elétricas


Como conseguir economia de energia elétrica em sua casa

10/12/2012

As instalações elétricas mal feitas ou mal conservadas causam desperdícios de energia e deixam a conta de luz mais cara.

Um estudo realizado pela Universidade de São Paulo revela que até 2,5% são desperdiçados em uma instalação elétrica, principalmente em edificação acima de 20 anos de construção, quer dizer a energia passa pelo medidor e não é aproveitada em trabalho útil, é consumida pelo aquecimento de condutores e acessórios das instalações elétricas.

Para um consumo de 200 kWh por mês que equivale a R$74,00, o desperdício, em um ano, é de 60 kWh ou, em reais, R$ 22,20.

Como identificar esses problemas!
As verificações das instalações elétricas devem ser feitas por profissionais qualificados. O contato com a rede elétrica pode causar choques com risco de morte.

Devemos estar atento e verificar todos os itens e acessórios correspondentes às instalações elétricas da edificação. Condutores compatíveis com a corrente instalada, condutores aquecidos ou deformados, plugues de eletrodomésticos, encaixe das tomadas (orifício), tomadas com sinais de aquecimento, soquetes de lâmpadas com sinais de aquecimento, interruptores com mal contato (quando ligado faz ruído), quadros de luz sem proteção. Outros sinais claros de problemas são o acionamento de luz ao ligar uma, a outra estando acessa da um sinal de queda de tensão, choques em chuveiro, disjuntor desarmando, oscilações na luz, excesso de equipamentos em um único circuito, excedendo a corrente limitada ao condutor, instalações obsoletas e mal dimensionados.

Sugestão

Se a sua casa ou apartamento tem mais de 10 anos e nunca passou por reformas no sistema elétrico, certamente esta na hora de solicitar um profissional Eletricista para verificar todo o sistema elétrico e isso deve ser realizado a cada 5 anos.

De acordo com a NBR-5410 todas as instalações elétricas principalmente (tomadas de uso específicos (TUEs) e tomadas de uso gerais (TUGs) devem ter o condutor terra instalado para proteção contra choques elétricos.

Ex. de circuito com aquecimento na fase central do disjuntor

circuito foto com aquecimento

Foto extraída do site (www.grothec.com.br)

Claudio – HPTEL


A importância da instalação dos dipositivos residuais – DRs nas redes elétricas

23/08/2012
Exemplar de Dispositivo de Proteção residual

Exemplar de Dispositivo de Proteção residual

Qual a duvida?

Dizem que tudo que, esta habilitado a exercer alguma atividade com eficiência e responsabilidade, tem que passar por uma tese. O titulo de DR, acredito que quando encontraram a palavra ligada ao efeito “diferencial residual” acertaram na mosca.

Informações sempre é bem vinda, no decorrer dos tempos recebo questionamentos sobre a funcionalidade do DR, e suas deficiências. O DR foi desenvolvido para nos dar segurança.

É muito comum deparar com muitas “gambiarras” por ai, serviços realizados por pessoas leigas sem conhecimentos técnicos para a sua aplicação, tenho verificado que a maioria dos casos, os problemas são das instalações elétricas executadas com materiais de qualidade duvidosa, conexões e isolações imperfeitas, quer dizer de maneiras erradas e inadequadas.

A função do DR é supervisionar quaisquer anormalidades que houver no circuito, que por ele passa vindo a atuar no momento do evento desligando o circuito, evitando consequências desagradáveis “choques” descargas elétricas e prejuízos materiais.

Um dispositivo de proteção DR utilizado em instalações eléctricas. Permite desligar um circuito sempre que seja detectada uma corrente de fuga superior ao valor nominal. A corrente de fuga é avaliada pela soma algébrica dos valores instantâneos das correntes nos condutores monitorizados (corrente diferencial). (Siemens)

Dispositivo DR ou Interruptor DR

Dispositivo de seccionamento mecânico destinado a provocar a abertura dos próprios contatos quando ocorrer uma corrente de fuga a terra. O circuito protegido por este dispositivo necessita ainda de uma proteção contra sobrecarga e curto circuito que pode ser realizada por disjuntor ou fusível, devidamente coordenado com o Dispositivo DR.

Disjuntor DR

Dispositivo de seccionamento mecânico destinado a provocar a abertura dos próprios contatos quando ocorrer uma sobrecarga, curto circuito ou corrente de fuga a terra. Recomendado nos casos onde existe a limitação de espaço.

Módulos DR

Dispositivo destinado a ser associado a um disjuntor termomagnético adicionando a este a proteção diferencial residual, ou seja, esta associação permite a atuação do disjuntor quando ocorrer uma sobrecarga, curto circuito ou corrente de fuga a terra. Recomendado para instalações onde a corrente de curto circuito for elevada. (Siemens)

A finalidade da aplicação

O elevado numero de acidentes originados no sistema elétrico impõe novos métodos e dispositivos que permitem o uso seguro e adequado da eletricidade reduzindo o perigo às pessoas, alem de perdas de energia e danos às instalações elétricas. A destruição de equipamentos e incêndios é muitas vezes causada por correntes de fuga à terra em instalações mal executadas, subdimensionadas, com má conservação ou envelhecimento. As correntes de fuga provocam riscos às pessoas, aumento de consumo de energia, aquecimento indevido, destruição da isolação, podendo até ocasionar incêndios, esses efeitos podem ser monitorados e interrompidos por meio de um dispositivo DR, Módulo DR ou Disjuntor DR. Os Dispositivos DR (diferencial residual) protegem contra os efeitos nocivos das correntes de fuga à terra garantindo uma proteção eficaz tanto à vida dos usuários quanto aos equipamentos.
A relevância dessa proteção faz com que a Norma Brasileira de Instalações Elétricas – ABNT NBR 5410 (uso obrigatório em todo território nacional conforme lei 8078/90, art. 39 – VIII, art. 12, art. 14), defina claramente a proteção de pessoas contra os perigos dos choques elétricos que podem ser fatais, por meio do uso do Dispositivo DR de alta sensibilidade (= 30mA). (Siemens)

Conceito de atuação

As correntes de fuga que provocam riscos às pessoas são causadas por duas circunstancias:

CONTATO DIRETO          CONTATO INDIRETO           DISPOSITIVO DR

No contato direto existe uma falha de isolação ou remoção das partes isolantes, com toque acidental da pessoa em parte energizada (fase / terra-PE).

No contato indireto, através do contato da pessoa com a parte metálica (carcaça do aparelho), que estará energizada por falha de isolação, com interrupção ou inexistência do condutor de proteção (terra-PE).

Dispositivo DR, protege a pessoa dos efeitos das circunstancias ao lado sendo que no caso do contato direto é a única forma de proteção.

Conceito do funcionamento

A somatória vetorial das correntes que passam pelos condutores ativos no núcleo toroidal é praticamente igual à zero (Lei Kirchooff). Existem correntes de fuga naturais não relevantes. Quando houver uma falha a terra (corrente de fuga) a somatória será diferente de zero, o que ira induzir no secundário uma corrente residual que provocara, por eletromagnetismo, o disparo do Dispositivo DR (desligamento do circuito), desde que a fuga atinja a zona de disparo do Dispositivo DR (conforme norma ABNT NBR NM 61008) o dispositivo DR deve operar entre 50% e 100% da corrente nominal residual.

F1 – Dispositivo DR de proteção contra a correntes de fuga à terra
T – Transformador diferencial toroidal
L – Disparador eletromagnético
R – Carga
A – Fuga à terra por falha da isolação
jF – Fluxo magnético da corrente residual
IF – Corrente secundária residual induzida

Esquemas de ligações básicas
L1, L2, L3 – Condutores Fases
N – Condutor Neutro
PE – Condutor de proteção ( terra )
DR1 – Dispositivo DR – bipolar
DR2 – Dispositivo DR – tetrapolar
R – Carga

O botão de teste T, possibilita a verificação do correto funcionamento e instalação do dispositivo DR, gerando uma corrente de fuga interna entre dois terminais de conexão (acionar semestralmente, pois é a garantia de funcionamento do Dispositivo DR). Portanto, em redes bifásica ou trifásica (L1+L2+N ou L1+L2+L3 sem N), verifique o diagrama no frontal do dispositivo DR para proporcionar a correta energização dos terminais utilizados por este teste. No exemplo foi interligado o terminal de conexão 3 ao terminal de conexão N para permitir a operação do botão de teste.

Esquemas de aterramento padronizado (norma ABNT NBR 5410 – item 4.2.2.2)

Seguem os esquemas de ligações mais utilizados

Esquema TN-S

As funções do condutor Neutro (N) e do condutor de Proteção (PE) são distintos na rede.

Esquema TN-C-S

Em parte do sistema as funções do condutor Neutro (N) e do condutor de Proteção (PE) são combinadas em um único condutor (PEN).

Esquema TT

O esquema TT possui um ponto da alimentação diretamente aterrado, estando as massas da instalação ligadas a eletrodo(s) de aterramento eletricamente distinto(s) do eletrodo de aterramento da alimentação.

Notas:

a)      Em sistemas TN-C o dispositivo DR somente poderá ser instalado se o circuito protegido for transformado em TN-S, caracterizando-se um sistema TN-CS.

b)      Para sistemas de TT, consultar ABNT NBR 5410.

CUIDADOS necessários na hora das instalações elétricas, principalmente em áreas molhadas e úmidas, jardins, piscinas, sanitários, áreas de serviços e áreas externas em geral. os acessórios,condutores e isolantes tem que ser específicos.

Claudio


PROTEÇÃO DE DESCARGA ELÉTRICA

14/03/2012

ATERRAMENTO

Nem só de fusíveis e disjuntores estaremos seguros e protegidos, existe algo tão fatal e doloroso quanto aos choques elétricos que são os “RAIOS” que para muitos o resultado é desconhecido. O que esta faltando é a “INFORMAÇÃO” das consequências que ele pode trazer, são resultados catastróficos e mortais. Primeiramente os executores de serviços tem que passar as informações sobre as necessidades do sistema de aterramento em edificações para seus clientes, informando sobre os perigos e as consequências do “raio”. Todos os profissionais da área de elétrica (eletricistas, técnicos e engenheiros), têm por obrigação alertar os proprietários de edificações, a maioria pode não concordar com a instalação devido aos custos. E sempre ouvimos as mesmas desculpas, “nunca aconteceu isso de raio cair e não é agora que vai acontecer”, só que eles esquecem que as condições climáticas do planeta esta mudando a cada dia, os dados estatísticos mostram que cada vez mais os números de descarga atmosférica “raios” aumentam em nosso Planeta.  As informações dependem principalmente de nós Eletricistas, Técnicos e Engenheiros. Nas visitas que faço a clientes e consultas que recebo pelo site, percebe-se que algo esta errado, ou o cliente não acredita nas normas ou não aceita sugestão de profissionais experientes. É muito comum depararmos com essas situações em edifícios, comerciais, residências e principalmente em edificações rurais onde a incidência de descargas atmosférica é maior.

No ultimo mês de fevereiro de 2012 houve várias descargas atmosférica “raios” na cidade onde resido, principalmente na região central que tem centenas de edifícios, neste periodo houve casos que atendi onde somente em um edifício teve queima de vários aparelhos eletrônicos, TVs, geladeiras, sistema de som, modems, telefones sem fios e outros.

Neste caso sempre somos questionados a dar opiniões sobre o que fazer para reaver os produtos de volta, mas, dificilmente somos consultados para verificar ou corrigir o sistema de proteção de descarga atmosférica (SPDA) da edificação.

Francamente, minha opinião, Acredito que a concessionária de energia elétrica do local, é a menos responsável pelos prejuízos gerados por raios. (são coisas da natureza).

A descarga elétrica dificilmente vem pela rede elétrica e sim pela própria edificação, exceto se as instalações a partir do quadro tipo padrão não estiverem de acordo com as normas previstas pela concessionária local.

Pode ser que aconteça da descarga “raio” ir pela rede elétrica?… Não estou tomando partido nem de A nem de B, mas será que neste caso todos os aparelhos que estão ligados na mesma rede da concessionária, casas visinhas, apartamentos não queimariam também?

O que causa estranheza é saber que todos sabem, mas ao mesmo tempo não querem saber… das normas de instalações NBR 5410 em vigor e NBR 14136, que atende as exigências e prevê para a tomada fixa o terceiro pino ou contato de aterramento

Proteger os equipamentos eletrônicos!

A primeira palavra que ouvimos, “AMELHOR COISA PARA NÃO QUEIMAR É O FILTRO DE LINHA”, pois é, a informação nunca é completa que seria mais o menos assim, “compro o filtro de linha e antes de instalar vou providenciar um sistema de aterramento para interligar no filtro de linha”. Ou será que o plugue com o pino de aterramento do filtro, esta lá por simples capricho do fabricante. E (CUIDADO) com aqueles filtros que tem as tomadas com três pinos e o plugue com dois, neste caso não existe condutor de terra. O sistema de aterramento devera estar de acordo com as normas previstas da NBR 5419. Caso contrario, a instalação será em vão.

COMO SE PROTEGER DE UMA DESCARGA ATMOSFÉRICA?

Consulte um profissional  da área elétrica que tenha conhecimentos em SPDA

Claudio – HPTEL


PORQUE FICO NO ESCURO?

07/01/2012

“O Mãheeeeeee liga o disjuntor pra Mimmmm”

É muito comum isso acontecer, principalmente no período do inverno, é quando mudamos a temperatura do chuveiro do verão para o inverno e usamos a torneira elétrica para não congelar a mãos.

TUDO ISSO ACONTECE POR QUE?

Todos nós sabemos que tudo tem um começo, “porque não começar pelo começo?”, cuidado com os famosos “puxadinhos” o próprio nome já diz, cansativos, caros, custosos etc.

E muitos tem a idéia… “vou fazer um provisório até o ano que vem”. hehehehehe… Isso ai só acontece a cada 1 por 1.000.000,  passa 1, 2, 3, 10, 20 anos e ai vai acaba virando titio vira avós, estica mais um pouquinho e por ai vai  até que o fogo chega. Não é piada não, é estatística.

PLANEJAMENTO. Hoje uma construção tem o custo mínimo de + ou – de R$600,00 por m², e deste valor temos que considerar que de 3 a 4% são para o investimento em materiais de elétrica, para isso temos que planejar a construção para não ter problemas e deficiências no sistema elétrico da construção. Isso também vale para outros sistemas de hidráulicas e Telecom.

CUIDADOS COM MULTIRÃO.  Pode ficar mais em conta “barato” a mão de obra, mas os matérias não podem ser excluídos de forma nenhuma.

As questões mais comuns são, porque minhas lâmpadas piscam, o disjuntor desarma, o chuveiro queima e etc.

Diz um ditado que “só vendo para crer”, depois do ocorrido dizem “agora eu acredito”.

SUGESTÃO se vai construir uma edificação acima de 40m² solicite a instalação do medidor padrão com a tensão de 110/220 volts mas nada impedem de ter a mesma tensão em uma edificação até 40m².

Consulte um profissional eletricista para assessorar ou executar os serviços de eletricidade.

Claudio – HPTEL


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 140 outros seguidores